skip to Main Content
Contabilidade Para Motorista De Aplicativo – Como Funciona?

Contabilidade para motorista de aplicativo – como funciona?

É crescente o número de pessoas que recorrem aos aplicativos de transporte individual para então, se locomoverem. Desde 2014, quando iniciou suas atividades no Brasil, a Uber tem facilitado a vida de milhões de usuários, contando, hoje, com mais de 600 mil motoristas parceiros. 

A atividade de motorista de aplicativo foi regulamentada a nível nacional com a lei nº 13.640 de março de 2018 e foi um caminho que muitas pessoas que perderam seus empregos em momentos de crise encontraram para se manter, e também para aqueles que procuram uma renda extra. 

Mas você, que está exercendo a atividade de motorista de aplicativo, sabe como deve tributar seus rendimentos? Como funciona a contabilidade para Uber e motorista de aplicativo em geral e como ela pode te ajudar? Continue lendo e descubra:

MEI para Motorista de Aplicativo

Ao constitui um MEI (Microempreendedor Individual), o motorista recolhe mensalmente uma guia única chamada DAS, onde já estão inclusos o ISSQN e o INSS. 

Mesmo como MEI, o motorista de aplicativo tem obrigações tanto como pessoa jurídica quanto como pessoa física. Como pessoa jurídica, além do recolhimento mensal do DAS o MEI tem a obrigação de entregar a Declaração Anual Simplificada do MEI (DASN-SIMEI). Como pessoa física, você poderá então, ter que entregar anualmente a sua Declaração de Imposto de Renda de Pessoa Física (DIRPF) caso se encaixe nas situações de obrigatoriedade definidas pela Receita Federal, e tributar o seu lucro

Desse modo, a legislação estabelece duas situações com relação a essa tributação:

  • MEI com Contador

A legislação estabelece que ficam isentos do imposto de renda os valores recebidos pelo MEI e que sejam distribuídos como lucros para a pessoa física. Para isso, deve possuir assim,  um controle financeiro e contábil, com escrituração do livro caixa e documentos de comprovação de despesas pessoais e de manutenção da atividade. Nessas condições, pode ser considerado então, como rendimentos isentos o valor de até 40 mil reais por ano. 

  • MEI sem Contador

Caso não haja a escrituração contábil, a legislação estabelece que será feita a presunção do lucro, que no caso de motorista de aplicativo, será de 16% do total recebido no ano. Ou seja, somente esse percentual ficará isento, e o restante será tributado pelo imposto de renda da pessoa física. 

Confira Nossos Serviços - Contabilidade no Rio Grande do Sul | Gesswein Serviços Contábeis

Qual a importância da contabilidade para motorista de aplicativo?

Não existe em lei a obrigatoriedade da contabilidade para o motorista de aplicativo. Porém, sem a escrituração feita por esse profissional, o motorista terá a isenção de somente 16% do seu lucros, sendo que o restante poderá ser tributado em até 27,5% dependendo do valor. 

Com o auxílio de uma contabilidade o lucro evidenciado será isento mesmo ultrapassando esse valor. 

Além disso, uma contabilidade de confiança especializada em atender motoristas de aplicativo pode orientar o profissional com o objetivo de controlar os valores gastos e recebidos, mantendo uma boa saúde financeira. 

Importante também que haja esse acompanhamento para preenchimento da declaração e correta apuração dos valores a serem recolhidos, evitando que o motorista seja penalizado pela Receita Federal. Sendo assim, a contabilidade para motorista de aplicativo é muito relevante. 

Quer saber mais sobre a contabilidade para motorista de aplicativo? Entre em contato conosco!

Ainda possui alguma dúvida? Que tal entrar em contato com a Gesswein?

Somos uma Empresa Contábil de Canoas – RS, especialistas no seu negócio para ajudá-lo.

Será um prazer conversar!

Acesse nosso Facebook: @gessweinoficial

Sucesso e até logo.

Assine nossa newsletter

Receba dicas valiosas para o seu negócio semanalmente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendado só para você!
Você já teve a impressão de que, por mais que…
Back To Top